Cinco anos de ruas mais seguras no RJ

Cinco anos de ruas mais seguras no RJ

O panorama do trânsito e da saúde do Rio de Janeiro era extremamente negativo há exatos cinco anos, quando a Operação Lei Seca colocou sua primeira blitz nas ruas. Em junho de 2008, o então presidente Lula sancionou a Lei 11.705/98, conhecida como a Lei Seca, para reverter uma grave estatística da realidade brasileira: só no ano da publicação da lei, o país teve mais de 2,5 mil mortes e 30 mil acidentes nas ruas e estradas.

O Governo do Estado do Rio de Janeiro, com o objetivo de criar uma política pública que tirasse a lei do papel evitando tragédias nas ruas, somou forças em diversos órgãos. Com a união entre a Polícia Militar, o Detran e a Secretaria de Governo – além de parceria com a CET-Rio e Guarda Municipal – surgiu a Operação Lei Seca.

Em cinco anos, foram realizadas diariamente ações de fiscalização e educação. Blitzes espalhadas por todo o estado, ao mesmo tempo em que agentes de conscientização, vítimas da combinação álcool e direção, percorriam escolas, universidades, empresas, bares e restaurantes para conversar com as pessoas e explicar os efeitos nocivos dessa mistura. Meia década depois de seu início, o coordenador-geral da operação, major Marco Andrade, faz um balanço do trabalho realizado.

– A Operação Lei Seca é um serviço de qualidade oferecido pelo governo do estado do Rio de Janeiro, que se tornou referência no combate à alcoolemia, e diminuição dos acidentes de trânsito. Ao longo dos últimos cinco anos, abordamos mais de 1,4 milhões de motoristas, e constatamos que a sociedade fluminense realmente apoia esse projeto. São 32% a menos em mortes, 27% menos acidentes e 30% menos condutores flagrados. É um número para comemorar, um indicativo da mudança de comportamento da sociedade fluminense, que é o grande objetivo da Operação Lei Seca. São cinco anos de conquista e de credibilidade junto à população – afirma.

Major fazendo doação de sangue

Major fazendo doação de sangue

A comemoração dos cinco anos começou com uma missa, celebrada na Igreja da Candelária, com a participação de todos os membros da Operação Lei Seca. Os agentes depois seguiram para o Terreirão do Samba, onde foi realizada uma grande campanha de doação de sangue, em parceria com o Hemorio. No total, 298 pessoas compareceram ao estande montado no local, e 226 bolsas de sangue foram coletadas – uma bolsa pode salvar até quatro vidas. Durante a cerimônia, o vice-governador Luiz Fernando Pezão ressaltou a importância da operação para o estado.

– Quero parabenizar o major Marco Andrade, e sua dedicação à frente desse grande projeto que é a Operação Lei Seca. Hoje é um exemplo para o Brasil e para o mundo. Temos um dado extraordinário que é a redução das emergências nos hospitais, de traumas e mortes, e de vidas que foram salvas. É uma alegria ver que essa lei veio para ficar – revela.

O secretário de Governo, Wilson Carlos, agradeceu o comprometimento de todos os membros da operação.

– Obrigado ao governador Sérgio Cabral e ao vice-governador Pezão, por sempre ter dado todo o apoio necessário para que essa operação pudesse salvar vidas. Obrigado aos policiais militares, que trabalham todas as noites nas blitzes, garantindo a segurança do cidadão carioca. Obrigado a todos os agentes da Secretaria de Governo, membros que não aparecem, mas que são fundamentais para o sucesso. Obrigado a todos os portadores de necessidades especiais, que estão todos os dias nas ruas fazendo um grande trabalho de conscientização. Vocês estão conseguindo fazer uma das coisas mais difíceis, que é mudar a cultura da população – disse.

Fonte: Operação Lei Seca – www.operacaoleisecarj.rj.gov.br